FacebookYoutubeTwitterPinterestPartilharTrip AdvisorInstagram
bem-vindo àMaia!

Teatro À(s) quintas

teatro_as_quintas
Chart?chst=d map spin&chld=0
Datas
2022/01/27 a 2022/11/24

Janeiro - Fevereiro – Maio - Novembro – 2022

Durante o corrente ano de 2022 o Teatro Art´Imagem e a Câmara Municipal da Maia, dando seguimento ao protocolo existente desde há alguns para a divulgação, formação e apresentação de espetáculos teatrais no concelho, retomam o programa de Teatro denominado "Teatro à(s) Quinta(s)", com a apresentação de 4 espetáculos de Teatro que se realizarão no Grande Auditório do Fórum da Maia, sempre às quintas feiras, sempre às 19h00 e com entrada livre.
Mais uma oportunidade para os maiatos e todos os espetadores doutros municípios puderem assistir a peças de teatro de qualidade levadas à cena por companhias profissionais de várias regiões do País e internacionais, juntando-se assim este ciclo "Teatro À(s) Quinta(s)" às outras atividades regulares que a Câmara Municipal da Maia e o Teatro Art´Imagem organizam anualmente como o Festival Internacional de Teatro Cómico da Maia, Programação Regular de Teatro na Quinta da Caverneira, Maia ao Palco - Mostra de Teatro de Amadores, as Oficinas de Teatro da Maia para crianças, jovens e seniores, entre outras.

PROGRAMA:

CANCELADO 27 Janeiro, 19h00
Teatro À(s) Quintas
Teatro Art’Imagem/Câmara Municipal da Maia
Grande Auditório do Fórum da Maia

"Bichos", Varazim Teatro

M/6
60M

Diferentes entre si nas suas particularidades, estes “bichos”, animais e humanos, estão todos na mesma “Arca de Noé”, a terra mãe, irmanados numa luta igual pela vida e pela liberdade.

MIURA -TERRA
A bela escrita telúrica de Torga convida-nos a meditar sobre a terra, os bichos e o sangue que nos envolverá de espanto. Primeiro na terra
inventaremos o universo teatral do conto Miura.

VICENTE – ÁGUA
Com Vicente inventamos esta simbólica união de opostos terra e água.
Uma estória casa com a outra, inventam pontos de ligação, estratégias de comunhão.
“O CORVO leva a Mithra, da parte do sol, a ordem de matar o touro e ele, com pesar, executava a ordem recebida.”

Encenação e dramaturgia: José Caldas
Criação musical: Paulo Lemos
Interpretação: Ana Lídia Pereira, Eduardo Faria, Joana Luna, Kiko Rurelas
(interpretação musical ao vivo) e Sara Maia
Cenografia: José Caldas
Figurinos: Joana Soares e José Caldas
Apoio coreográfico: António Carvalho
Construção adereços: Artur Rangel
Desenho de luz: José Caldas e José Raposo
Confeção de figurinos: Adélia Agra
Confeção de adereços: Sameiro Fernandes
Produção executiva: Joana de Sousa
Fotografia: José Carlos Marques

Gratuito.
Condições de acesso de acordo com as normas da DGS em vigor à data do evento.

24 de fevereiro, 19h00
Teatro À(s) Quintas
Teatro Art’Imagem/Câmara Municipal da Maia
Grande Auditório do Fórum da Maia

"Autorretratos de Pluma y Espada"
Uma coprodução de Karlik Danza Teatro e Festival de Teatro Clásico de
Cáceres - Casar de Caceres/Espanha

M/14
75M

As escritoras barrocas enfrentaram o desafio de usar a palavra para evidenciar uma situação sem dúvida injusta porque, diante do silêncio e da reclusão a que a moralidade reinante da época as condenava, queriam erguer a voz, tornando-se visíveis na sociedade e, por meio das palavras, romper a esfera privada para atingir também a esfera pública.
Serão as quatro dramaturgas seculares mais representativas do barroco espanhol, María de Zayas, Ana Caro de Mallén, Ángela de Acevedo e Leonor de la Cueva que darão voz à sua visão do mundo através das protagonistas das suas obras: “La Traición en la amistad”, “Valor, agravio y mujer”, “El muerto dissimulado” y “La firmeza en el ausência”, respetivamente. E Catalina Clara Ramírez de Guzmán, poetisa da Extremadura, de Llerena, do século XVII a quem, por nossa parte, queremos prestar uma pequena homenagem encenando alguns de seus poemas mais representativos, como autorretratos. A mulher desonrada que disfarçada de homem busca
restabelecer sua honra
- O direito da mulher à livre escolha do casamento
- A defesa contra a acusação do caráter mutável da mulher.

Textos: María de Zayas, Ana Caro, Leonor de la Cueva, Ángela de Acevedo, Catalina Clara Ramírez, Hélène Cixous
Adaptação: Charles Delgadillo e Cristina D. Silveira
Direcção e Dramaturgia: Cristina D. Silveira
Intérpretes em cena: Jorge Barrantes Lara Martorán Guadalupe Fernández Sergio Barquilla Chloé Bird
Intérpretes em video: Memé Tabares, María de Zayas Carmen Galarza, Ana Caro Ana García, Ángela de Acevedo Olga Estecha, Leonor de la Cueva Alfredo Guzmán e Fray Luis de León
Espaço cénico e figurinos: Susana de Uña
Videografías: Yorgos Karailías
Composição Musical: Álvaro Rodríguez Barroso
Composição Coreográfica: Cristina D. Silveira
Desenho de luz: David Pérez Hernando
Assistência coreográfica: Cristina Pérez, Bermejo Verso, Charles Delgadillo Armas e Pablo Mejías
Execução cenográfica: Talleres Ollero y La Nave del Duende
Execução de figurinos: Luisi Penco y Lali Moreno
Técnico de luz: Alfonso Rubio
Fotografia: Jorge Armestar
Vídeo promocional: Marta Barroso
Design gráfico: Susana de Uña
Assistente de Produção: María López
Direcção Técnica e de Produção: David Pérez Hernand

Gratuito.

Condições de acesso de acordo com as normas da DGS em vigor à data do evento.

26 de maio, 19h00
Teatro À(s) Quintas
Teatro Art’Imagem/Câmara Municipal da Maia
Grande Auditório do Fórum da Maia

"À Deriva" - Uma Coprodução ACTA – Companhia de Teatro do Algarve e CTB -
Companhia de Teatro de Braga - Faro/Braga

M/12
60M

Na sua génese, o texto reporta-se a uma situação concentracionária específica e a um caso verídico ocorrido durante o regime do apartheid na África do Sul, na ilha prisão de Robben, a mesma onde Nelson Mandela cumpriu pena durante 27 anos. No caso, dois companheiros de infortúnio partilham a mesma cela; durante o dia realizam trabalho forçado e à noite ensaiam a Antígona, de Sófocles. O objetivo é que a peça (reduzida às personagens Antígona e Creonte) seja apresentada perante os outros prisioneiros: ela expõe paralelos entre a situação de Antígona, condenada por razão discricionária, e a idêntica contingência em que todos eles se
encontram naquela ilha-prisão. Pois, se esta é a génese, o enredo, no entanto, contém uma inevitabilidade que, no plano das conjeturas dramatúrgicas, nos remete para problemáticas da contemporaneidade, designadamente no que respeita a casos de migrantes que, fugindo da miséria, não logram chegar ao esperançoso lado ocidental do Mediterrâneo e acabam capturados e explorados em condições análogas às que o texto fundador expõe; também aos que nos seus próprios países são reféns da cobiça e interesses múltiplos, como é o caso dos sujeitos a escravatura nas minas de Coltan no leste do Congo, o mineral metálico coração dos smartphones; também ao tráfico humano, em geral, que contemporaneamente acontece em África com a discreta conivência e múltiplos interesses ocidentais… Por conseguinte, o drama daqueles dois homens de Robben perpetua-se noutras ilhas e sob outros pretextos.

Texto: Alexandre Honrado (a partir de “A Ilha” de Athol Fugard)
Dramaturgia e Encenação: Luís Vicente
Intérpretes: Luís Vicente e Rogério Boane
Tradução: Sara Afonso
Cenografia Rafael Goes Execução
Cenográfica: Tó Quintas
Assistência de Encenação: Tânia da Silva
Desenho de Luz: Octávio Oliveira
Desenho de Som: Diogo Aleixo
Produção: Márcia Moutinho

Gratuito.

Condições de acesso de acordo com as normas da DGS em vigor à data do evento.

24 de novembro, 19h00
Teatro À(s) Quintas
Teatro Art’Imagem/Câmara Municipal da Maia
Grande Auditório do Fórum da Maia

"Hamlet" - CTB – Companhia de Teatro de Braga

M/12
120M (aproximadamente)

HAMLET de William Shakespeare Esta é uma performance sobre a perceção da realidade moderna, logo sobre fronteiras. A peça é sobre a possibilidade de olhar essa realidade a partir de dois polos dessa perceção:
1. O mundo é virtual,
2. O mundo é real.
A peça "Hamlet" é um confronto desses dois oponentes e o processo de interação entre eles.
São 4 atores. Dois homens. Duas mulheres. Hamlet e Ofélia entendem o mundo como virtual. A mãe de Hamlet e o padrasto de Hamlet entendem o mundo como real. Após a colisão dessas duas formas de perceção representantes da compreensão virtual do mundo morrem fisicamente (Hamlet, Ofélia), e representantes da compreensão real (Mãe e Padrasto de Hamlet) permanecem vivos. Eles sobrevivem aos seus próprios filhos.
Este foi o ponto de partida para o espetáculo que entretanto evoluiu…é um processo.

Autor: William Shakespeare
Adaptação, encenação e dramaturgia: Alexej Schipenko
Interpretação André Laires, Carlos Feio, Eduarda Filipa, Rogério Boane, Solange Sá
Cenografia e figurinos: Lesja Chernish
Captação de som: Luís Lopes
Construção de cenário: Fernando Gomes
Vídeo e som: Jorge Lucas
Desenho de luz: Alexej Schipenko e Sérgio Lajas
Apoio musical: Grasiela Müller

Gratuito.

Condições de acesso de acordo com as normas da DGS em vigor à data do evento.

A foto que ilustra este texto é da autoria de Paulo Nogueira

Telefone
Endereço Web
Pontuação
Ainda não tem opiniões registadas
Total de Visualizações
376 visualizações

Sugestões

Próximos

Navegar
Contactos
Maia Welcome Center
Parque Central da Maia
Rua Simão Bolívar
1º Piso - Loja 19
Tel 22 944 47 32
E-mail turismo@cm-maia.pt
powered by Wiremaze
CM Maia Turismo de Portugal Turismo Porto e Norte Caminhos de Santiago - Caminho Português da Costa